Procurar termo

Schaeffler publica os números referentes ao 1º Trimestre: Lucros robustos e forte fluxo de caixa livre

Pressrelease Stage Image

06-05-2020 | Sorocaba

  • Schaeffler apresentou seu relatório intermediário para os três primeiros meses do ano de 2020

A Schaeffler publicou em 06 de maio de 2020, os números referentes ao 1º Trimestre: Como resultado da crise do coronavírus, a receita do período diminuiu em 9,2%. A margem EBIT antes de itens especiais era de 6,5 por cento (sendo de 7,5 no ano anterior). Os setores de Reposição Automotiva e industrial apresentaram melhora em suas margens EBIT, enquanto a margem EBIT de OEM Automotivo sofreu uma queda significativa. O fluxo de caixa livre antes das entradas e saídas de caixa para atividades de M&A no primeiro trimestre, de 137 milhões de Euros, estava consideravelmente à frente do período de relatório do ano anterior (235 milhões de Euros).

Os resultados do primeiro trimestre de 2020 são robustos
“A pandemia de coronavírus nos confronta com desafios sem precedentes. Nossos resultados para o primeiro trimestre de 2020 são robustos. O desenvolvimento positivo de nosso fluxo de caixa livre é encorajador. Estamos colhendo os benefícios de termos começado a gerenciar proativamente nossos dispêndios de capital e capital de giro no ano passado. Unido à nossa posição de liquidez e à alta qualidade de nosso balanço, estamos confiantes de que conseguiremos superar a crise atual. O segundo trimestre será difícil. Nós continuaremos a executar com consistência as contramedidas que implantamos”, afirmou Klaus Rosenfeld, CEO da Schaeffler AG.

A receita sofre queda nas quatro regiões
A receita do Grupo Schaeffler no período do relatório totalizou aproximadamente 3,282 milhões de Euros (ano anterior: aproximadamente 3,622 milhões de Euros). Em moeda constante, a receita do período sofreu queda de 9,2 por cento, impulsionada principalmente pelos volumes. A receita sofreu queda nas quatro regiões durante o primeiro trimestre. A redução em moeda constante foi de 11,2% na região da Grande China, 10,4% na Europa, 9,3% na Ásia/Pacífico e 6% na região das Américas.

O Grupo Schaeffler gerou 215 milhões de Euros (ano anterior: 272 milhões de Euros) em EBIT antes dos itens especiais nos primeiros três meses, representando uma margem EBIT antes dos itens especiais de 6,5% (ano anterior: 7,5%). A queda em relação ao ano anterior foi atribuída principalmente à queda na margem bruta. A redução da margem foi impulsionada principalmente pelo impacto adverso dos volumes nos custos fixos.

O EBIT do período coberto pelo relatório foi afetado negativamente por 302 milhões de Euros (ano anterior: 42 milhões de Euros) em itens especiais. Isso incluiu um prejuízo no ágio alocado à divisão de OEM Automotivo em 249 milhões de Euros, uma vez que a pandemia de coronavírus levou a uma maior incerteza quanto ao desenvolvimento dos negócios do Grupo Schaeffler no futuro. Itens especiais compreendem adicionalmente 53 milhões de Euros em despesas incorridas para expandir os programas RACE e FIT, especialmente em relação à redução do número de funcionários. O EBIT resultante foi de 88 milhões de Euros (ano anterior: +230 milhões de Euros).

A Receita de OEM Automotivo caiu 12 por cento
O setor de OEM Automotivo gerou 2.008 milhões de Euros (ano anterior: 2.285 milhões de Euros) para os primeiros três meses. A receita diminuiu 12% em moeda constante em relação ao ano anterior, impulsionada principalmente pelos volumes. A queda na receita foi causada principalmente pelo impacto da pandemia de coronavírus, que enfraqueceu de forma considerável a demanda do setor automotivo, diminuindo também a demanda do setor de OEM Automotivo. A produção mundial de automóveis no primeiro trimestre foi significativamente afetada por paralisações temporárias da produção, e diminuiu 23% nos primeiros três primeiros meses do ano de 2020. O desempenho da divisão de OEM Automotivo foi de 11 pontos percentuais consideráveis nessa base.

Como resultado da crise do coronavírus, a receita sofreu queda nas quatro regiões. Na região da Europa, a receita caiu 13,5% em moeda constante. A região das Américas registrou 5,2% menos receita em moeda constante. A queda da receita em moeda constante na região da Grande China foi de 22,8%. Na região da Ásia/Pacífico, a receita caiu 7,3% em moeda constante.

O Grupo Schaeffler faturou 50 milhões de Euros (ano anterior: 113 milhões de Euros) em EBIT antes de itens especiais no primeiro trimestre de 2019. Isso resultou em uma margem EBIT antes dos itens especiais de 2,5 por cento no período, significativamente abaixo da margem EBIT de 4,9% reportada no ano anterior. A queda foi atribuída principalmente à menor margem bruta resultante do impacto adverso dos volumes nos custos fixos.

A receita do mercado de Reposição Automotiva cresce 1,5%
A divisão do mercado de Reposição Automotiva registrou um aumento na receita no período coberto pelo relatório de 1,5% na moeda constante, para 446 milhões de Euros (ano anterior: 443 milhões de Euros), como resultado de um crescimento considerável da receita na região da Europa, a região que, de longe, gerou a maior receita. A tendência favorável da receita na Europa mais do que compensou a queda da receita nas três regiões restantes. Os 5,6% adicionais em receita na Europa, em moeda constante, foram atribuíveis principalmente ao desempenho encorajador do negócio de Reposição Independente (IAM) na sub-região da Europa Central e Oriental. Na sub-região da Europa Ocidental, as medidas para conter o coronavírus enfraqueceram significativamente os negócios de Reposição Independente. O aumento da receita na Europa contrastou com uma queda de 4,7% na receita na região das Américas, impulsionado em grande parte pela queda na receita de negócios de IAM na sub-região da América do Sul. Os negócios de OES (Serviço de Equipamento Original) nos EUA, por outro lado, cresceram - sua receita aumentou consideravelmente devido ao aumento dos requisitos. A região da Grande China viu sua receita cair profundamente em 24,9% em moeda constante, enquanto a receita na região Ásia/Pacífico, em 9,9%.

Os desenvolvimentos resultados em um EBIT antes dos itens especiais de 76 milhões de Euros (ano anterior: 69 milhões de Euros), representando uma margem EBIT antes dos itens especiais de 17,1 por cento (ano anterior: 15,5%). A melhoria em relação ao ano anterior é atribuída principalmente ao aumento da margem bruta e à melhor estrutura de custos funcionais. A margem bruta da divisão aumentou como resultado de maiores volumes de vendas e se beneficiou de uma mudança no mix de produtos.

A receita da divisão industrial caiu 7,5%
A divisão Industrial gerou 828 milhões de Euros (ano anterior: 893 milhões de Euros) em receita no primeiro trimestre, em um ambiente de mercado desafiador. Em moeda constante, a receita diminuiu 7,5%. Especialmente as regiões da Europa, Américas e Ásia/Pacífico registraram consideráveis reduções de receita relacionadas à crise no primeiro trimestre de 2020. Em contraste, uma taxa de crescimento de dois dígitos foi relatada pela região da Grande China, onde particularmente o cluster do setor eólico se expandiu consideravelmente. Os clusters do setor de transmissão de energia e matérias-primas também contribuíram para o crescimento. O crescimento da receita em moeda constante da região foi de 21,4%, enquanto a receita caiu 15% na região da Europa, 14,1% na Ásia/Pacífico e 9,5% na região das Américas.

O setor industrial gerou aproximadamente 88 milhões de Euros (ano anterior: 90 milhões de Euros) em EBIT antes dos itens especiais para o primeiro trimestre, representando uma margem EBIT antes dos itens especiais de 10,7% (ano anterior: 10,1%). A tendência favorável da margem se beneficiou da margem bruta estável, entre outras coisas. O impacto adverso dos volumes nos custos fixos foi mais do que compensado, em parte pelo impacto favorável dos preços.

Fluxo de caixa livre forte antes das entradas e saídas de caixa para atividades de M&A
O lucro líquido atribuível aos acionistas antes de itens especiais diminuiu consideravelmente durante o primeiro trimestre de 2020 em comparação com o período do ano anterior, totalizando 103 milhões de Euros (ano anterior: 169 milhões de Euros). O resultado (prejuízo) líquido foi de -184 milhões de Euros (ano anterior: +137 milhões de Euros). O lucro por ação ordinária sem direito a voto foi de -0,27 euros (ano anterior: +0,21 Euros).

O fluxo de caixa livre antes das entradas e saídas de caixa para atividades de M&A no primeiro trimestre, de 137 milhões de Euros, estava consideravelmente à frente do período de relatório do ano anterior (235 milhões de Euros). Os dispêndios de capital (capex) em imobilizado e ativos intangíveis para os três primeiros meses, de 164 milhões de Euros, ficaram consideravelmente abaixo do nível do ano anterior (373 milhões de Euros), representando um índice de capex de 5,0% da receita (ano anterior: 10,3%).

A dívida financeira líquida do grupo caiu para 2.414 milhões de Euros em 31 de março de 2020. O índice de engrenagem, ou seja, o índice da dívida financeira líquida sobre o patrimônio líquido, aumentou levemente para 93,8% (31 de dezembro de 2019: 86,6%).

O grupo empregava um total de 86.548 pessoas na data do relatório (31 de dezembro de 2019: 87.748), uma queda de 1,4%.

Boa posição de liquidez, contramedidas e balanço de alta qualidade fortalecem o gerenciamento de crise
A redução no valor recuperável do ágio na divisão de OEM Automotivo reduz o risco de perdas adicionais no balanço patrimonial. Ao adotar essa abordagem conservadora na avaliação, o Grupo Schaeffler respondeu ao aumento da incerteza em relação ao futuro dos negócios da divisão como uma consequência da pandemia de coronavírus, melhorando assim a qualidade de seu balanço.

Além disso, o Grupo Schaeffler continuou aplicando ou começou a aplicar medidas para reduzir ainda mais os custos do grupo durante o período coberto pelo relatório, em parte em resposta à crise do coronavírus, como a introdução de trabalho de curta duração, o uso de dias de férias e horas no banco de horas, imposição de suspensão de contratações, redução de participação em feiras, redução do orçamento de marketing e fechamento temporário das fábricas. O Conselho de Administração também decidiu aumentar o número de empregos a serem incluídos no regime de demissão voluntária na Europa de 1.300 para 1.900.

Além disso, o Grupo Schaeffler também reforçou sua posição de liquidez, emitindo um A totalizando aproximadamente 350 milhões de Euros, conforme comunicado em 09 de abril de 2020. “O Grupo Schaeffler apresenta uma posição de liquidez muito boa. Já havíamos aumentado, no final do ano passado, a Linha de Crédito Rotativo existente de 1,5 bilhão de Euros para agora 1,8 bilhão de Euros e obtido novas linhas de crédito bilaterais, totalizando 200 milhões de Euros em meados de dezembro de 2019. Nossos próximos vencimentos significativos não ocorrem até 2022”, disse Dietmar Heinrich, Diretor Financeiro da Schaeffler AG.

Atualmente, ainda não é possível emitir uma orientação específica para o ano de 2020
Em 24 de março de 2020, o Conselho de Administração da Schaeffler AG suspendeu as orientações para o ano de 2020 do Grupo Schaeffler e suas divisões, que haviam sido publicadas em 10 de março de 2020, devido à disseminação mundial da pandemia de coronavírus e das implicações decorrentes para os resultados operacionais da empresa. Atualmente, nem o curso da pandemia nem suas implicações econômicas podem ser estimados com segurança. No presente momento, o Grupo Schaeffler espera que seu crescimento de receita em moeda constante, margem EBIT antes dos itens especiais e fluxo de caixa livre antes das entradas e saídas de caixa para atividades de M&A para o ano completo de 2020 estejam abaixo do nível correspondente no ano anterior.

Editor: Schaeffler Brasil Ltda.
País: Brasil

Downloads

Comunicados de imprensa

Pacote (Comunicado de imprensa + meios)

Partilhar página

A Schaeffler aplica os cookies para garantir o melhor uso possível. Ao usar este b site você estará concordando com a aplicação destes cookies. Mais informações

Aceitar